Croácia: Hvar, Slipt, Vis, Brac e algumas das mais belas praias desse mundo.

Hvar

Porto de Split

Ah, a Croácia, tripzinha bem maneira com mais 3 amigos. Passamos 7 dias na Croácia. Nosso primeira parada foi em Slipt, o principal centro da região da Dalmácia e um verdadeiro museu a céu aberto na costa do Mar Adriático, cercado por enormes montanhas. Essa parada foi apenas para pegar o ferry (custa cerca de R$ 30 por pessoa, tempo médio de 1h30 a 2hrs) e partir para Hvar.

Vista do alto do Forte – Tvrđava Fortica

Chegando em Hvar, depois de 2hrs no ferry. Alugamos um apto pelo Airbnb a diária custou cerca de R$ 100 e ficava bem próximo ao centro de Hvar, local de fácil acesso bem maneiro.

O que fazer em Hvar? Tudo! hahaha, Hvar é conhecida por suas ilhas, baladinhas e excelente gastronomia. Pra quem gosta de fazer uma trilha ou dar uma caminhada, vale a subida até o topo do Forte para ver o visual e tirar algumas fotos, vou te falar que dá uma bela caminhada, quase 2horas do apto que estávamos até o topo, mas valeu, é só pegar aquela gelada e ta tudo certo.

Galera da prole estacionando seus caiaques.

Depois do rolêzin vale a pena entrar nas vielas de Hvar e comer nos restaurantes, é só escolher rs!

Agora da uma olhada como que fica a escadaria a noite rs

Se você curte uma baladinha no final de tarde, tem que passar no Hula Hula Beach Bar, com drinks bem maneiros e salgados haha e uma galera bem animada. O pôr do sol de lá é sensacional, vale passar uma tarde emendada com a noite.

A noite em Hvar é bem agitada, existem algumas casas noturnas que você pega o barco que sai do centro do Hvar e ele te leva para as ilhas ao redor, depois da tarde a galera costuma tomar um banho e já sair pra noite. Fomos no Carpe Diem Club (cerca de 200kunas para entrar), que fica na ilha ao lado, as festas começam por volta de 1h da manhã e geralmente acabam depois que dia amanhece, tem que estar no pique, se não mio hermano(a), vai pedir pra sair.

Existem outros clubs também em Hvar: Veneranda (a boate que o príncipe Harry já frequentou) e a Pink Champagne, não fomos nesses clubs, optamos por passar a vez, até por que tinha muita coisa pra fazer ainda na trip e eu pelo menos não ganhei na sena! Partiu então próxima parada na Croácia.

Vis, Komiza e Brac.

Depois de Hvar fomos para Vis e Komiza. A primeira é onde aporta o ferry e é a cidade mais antiga da Croácia. Ali, você vai encontrar o que comer, beber e uma praia linda de frente para uma igreja quase grudada no mar, mas o nosso foco em Vis não era essa praia, fomos atrás da Stiniva, que ganhou a votação feita pela European Best Destinations, como a melhor praia da Europa em 2016.

Maaaas antes de tudo virar flores, quando chegamos em Vis passamos um perrengue pois dois amigos que estavam para chegar e nos passaram o endereço do local que alugamos, quando chegamos foi só eu e Raphael, não tínhamos ideia do que era, como era, eu só sabia que era uma ilha e ponto, a distância da van até o apto que foi alugado, não sabíamos de nada. Quando chegamos, com as malas foi uma surpresa ahahaha…

Nosso amigo Raphael, que não é nem um pouco fã de caminhar, corridas, esportes, não ficou nada feliz, mas depois de alguns vários minutos caminhando tudo ficou bem novamente, pra ele kkk

Nesse primeiro dia ficamos na praia dessa ilha (afinal só tinha praia), pois no dia seguinte iríamos para Stiniva. A praiana rolou até umas 19h, depois pegamos um carro que nos levou até um restaurante caseiro, com um fogão a lenha e comida sensacional, era como se fosse um sítio.

Voltamos depois para a “cidade” e estava rolando uma festa com os moradores comida e bebida free, tinha carne e vinhos de todos os tipos, mas a galera já tinha comido tanto que não cabia mais nada, ahaha só queríamos dormir pro outro dia.

Acordamos, pegamos o barco para nos levar até a Stiniva, não acordamos com muita sorte, o barco não quis funcionar, estávamos prestes a perder todo o passeio até lá. O marinheiro nos indicou uma van para levar a gente pela terra e não pelo mar. Pegamos uma topic e fomos, durou cerca de +- 2horas, chegamos no topo da montanha. A van parou lá em cima pra gente descer, geralmente você chega pelo barco / mar, nós fizemos o caminho inverso, quem estava com o preparo físico foi de boa, e quem não estava, só pensava na gelada que estaria nos esperando lá em baixo, então partiu morro abaixo e bora conhecer a praia mais bonita do mundo 🙂

A descida durou cerca de +- 1hora e não foi tão fácil assim, mas valeu muuuito a pena. A praia é realmente muito pequena, com muitas pedras (como a maioria das praias da croatas), mas a vista que você tem na chegada, com aquelas duas pedras é sensacional, no dia o mar estava muito verde e a praia também não estava tão cheia.

Você consegue subir nas pedras e dar alguns jumps, tudo sem muito perigo, logo no inicio da “areia de pedra” tem as duas pedras e depois quando você nada pra fora, o mar se abre e você vê aquele oceano gigantesco, todo seu. É uma sensação / vista inexplicável.

Bom, energia renovada em Stiniva, vários mergulhos, nadadas, cerveja, risadas, sol, muita conversa… Agora temos que voltar né?

Essa parte pro Raphael não foi muito legal, tudo que desce tem que subir e pra esse menino subir foi complicado, nossos amigos Luciano e Fernando foram na frente e quem ficou para ajudar o pobre coitado no mamutinho? Eu!

Resumindo a história, foram quase 2hrs para o jovem rapaz subir, com várias paradas, o coração dele também quase parou (acho que umas 5x), fui xingado e ameaçado algumas vezes pois cogitei filmar o nosso amigo, ele falou que se filmasse eu ia morrer lá em cima (isso se ele chegasse até o topo né?) mas como eu sou brother, deixei passar dessa vez! Rafão, ta me devendo uma eim fila da puta! ahahaha

Subimos tudo, chegamos na van e a próxima parada era Komiza para ir na Blue Cave e depois Brac para conhecer uma outra praia bem comentada: Zlatni Rat.

Chegamos em Komiza, paramos um pouco para Raphael repor as energias, o menino comeu umas 5 pizzas e tomou uns 10 chopps, tudo certo! Pegamos um barco que nos levou até a Blue Cave, a tão famosa “Caverna Azul”, que em nosso Brasil tem diversas e não perde nada para a deles rs, e o passeio dentro da caverna é super rápido e eles não permitem que você pule na água, mas nós é brasileiro né, sem educação lelelelalalá? Então já viu rs

Cais de Komiza e onde Raphael comeu as 5 pizzas e 10 chopps.
A famosa Caverna Azul.

Depois do rolê em Komiza, pegamos um catamarã e fomos para Brac!

Brac? Ahm? Que isso?
Bom, vamos falar rapidão de Brac, ela tem cerca de 396 quilômetros quadrados, Brac é a terceira maior ilha da Croácia, depois de Krk e Korcula.
A ilha de Brac é conhecida pela riqueza histórica, pela gastronomia, pelas lindas praias, pelo mar azul cristalino e por abrigar uma das praias mais bonita da Croácia: Zlatni Rat. A praia é grande (em comparação às outras praias croatas), a água do mar é cristalina e a infraestrutura é fantástica.

Antes de chegar na praia, a van parou no topo de Brac em Bol pra gente ver a praia lá de cima, ela forma uma ponta e o visual é bem maneiro.

No catamarã começando os trabalhos. Luciano, Fernando, eu e Raphael.
No topo de Brac em Bol, e lá no fundo a praia Zlatni Rat.

Tem um lugar na bahia que eu gosto bastante, chamado Caraíva, a ponta de areia lembra um pouco lá, só que nossa praia baiana tem mais conforto, pois as pedras da praia não são nada agradáveis. Tirando isso é tudo muito bonito e o mar claro, sensacional.

Zlatni Rat

Passamos a manhã inteira mais um pouco da tarde nessas andanças de um lado pro outro, depois retornamos ao catamarã, pois no final do dia a gente voltava para Split, pois tínhamos mais 2 dias ainda por lá. Foram dias com muita risada, perrengue, vistas maravilhosas, conhecendo pessoas, fazendo amigos, comida sensacional, os moradores da região super acolhedores e simpáticos, de todas a casas que ficamos.

Nos outros dois dias, ficamos em Split em um hostel bem achado, pois a cidade estava completamente cheia, no primeiro dia não conseguimos hostel, hotel, quarto, nada, tivemos que dormir literalmente na praça, na verdade tentamos pois lá não é permitido dormir na rua, o que nos restou foi entrar na balada com mala e tudo, para esperar o dia seguinte para poder entrar no hostel.

Todos os perrengues valeram super a pena, eu pelo menos faria tudo novamente, acredito que o restante da galera também, menos o Raphael, acho que ele não desceria novamente a montanha em Stiniva haha.

Se você leu até aqui, muito obrigado e partiu o próximo rolêzin. Qualquer dúvida com valores, locais, destinos, trilhas, onde ir e não ir por esses lugares que passei é só entrar em contato 😉 Vamo que vamo, see ya!

Thiago, Luciano, Raphael (sua namorada francesa) e Fernando.
Vamos viver! 🙂